sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Conversa fora




Tô sempre jogando conversa fora, senão com alguém, ou ‘alguéns’, sozinha – converso bastante comigo mesma (mais até do que com os outros), e chego a grandes debates. Desta vez, resolvi mudar, e não ‘surdar’. Ao invés de jogar conversa fora, decidi catar conversa fora. Fiquei mais atenta, obviamente, em relação ao que acontece fora, sem a minha participação. Gostei do que vi, ouvi, testemunhei, e, se não tivesse visto, ouvido, testemunhado, não veria mais, nem ouviria mais, ou testemunharia mais, nem menos. Foram cenas inusitadas, cenas que seriam improvisadas num palco, e não poderiam mais ser repetidas. Valeu a pena.

Em vez de você jogar conversa fora, prestenção nas conversas aqui de dentro:

“- Esse meu amigo passou uns dez dias fazendo curso pra canário...
- Curso de canto?
- Não. Ficou preso mesmo, uns dez dias, né amigo?...”
putzzzzzzzzz

“- Seu computador não tem mais conserto. Eu avisei à senhora para não abrir emails de desconhecidos...
- Ah, mas o cartão era tão bonitinho, e me chamava de amor!...”
putzzzzzzzzz

“(pelo celular:)
- A febre do moleque baixou?... Semana que vem ele ainda vai tá no hospital?... É quando vou poder dar uma passadinha lá, pra ver o filhão...”
putzzzzzzzzz

“- Entra aí, nessa loja mesmo, pra ele não te ver...
- Tá, mas não empurra... não empurra... pera...
(kataploftttttttttttttttttttttttt duplo)”
putzzzzzzzzz

“(caixa de supermercado) - Se eu fosse a senhora, não comprava esses tomates!
- Por que não?
- Eu não gosto de tomates!
- Mas eu gosto!
- É a sua última chance: posso retirar os tomates do caixa e das suas compras?...
- !!!!!!”
putzzzzzzzzz

“- Esse é o encontro das mulheres, né?
- Sim.
- Quem é o único homem, aquele moreno bonitão, encostado na porta?
- É o marido da palestrante convidada.”
putzzzzzzzzz

“- Que pássaro lindo e imponente!... De qual espécie é?...
- Aquele lá no alto?... É urubu mesmo!...”
putzzzzzzzzz

“- Não adianta, gente, o secretário não está na Secretaria.
- Ah, pega o megafone aí, vai pro meio da rua, pra ver se ele não aparece rapidinho...
(no megafone:)
- Secretário, há quanto tempo!!!...”
putzzzzzzzzz

“- Acabei de experimentar um novo medicamento, que não me fez bem.
- Precisa de alguma coisa?...
- De um outro medicamento que me faça bem...”
putzzzzzzzzz

“- O que me enlouquece não é ela ser louca, mas sim, ela enlouquecer todo mundo. É isso que me deixa louco. É uma loucura, você nem imagina!...
- Não mesmo...”
putzzzzzzzzz

“- É muita mulher pro meu caminhãozinho! Nossa!...
- Que cara de ‘merda’!... Você acha que me produzo inteirinha, pra ficar ouvindo essa coisa mais pobre?... vai estudar, ou fica sem mulher nenhuma...”
putzzzzzzzzz

“- Chá, ou café?...
- Café, por favor.
...
- Aqui, é casa de chá mesmo, hein?... Até o café vira chafé...”
putzzzzzzzzz


Agora chega. É a tua vez de observar conversa fora. Abra a janela... Boa paisagem!...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

De olho