segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

“Gente estressadinha”


Ouço sempre um amiguinho falar: “Ai, que gente estressadinha (!)”. Seguindo o raciocínio dele, repito sempre que, hoje, as pessoas já não conseguem dar conta da própria vida, e fazem tudo tão apressadamente, que não resta-lhes mais nada, no final do dia, no fim da vida.
Todo mundo tá muito estressadinho mesmo. Ninguém tem paciência, no trânsito, no comércio, nas filas, em tudo, tudo mesmo. E ninguém mais tá a fim de saber do outro. Se alguém hoje ainda pergunta: Tudo bem? – não está querendo saber do outro, pergunta por perguntar, e passa apressado.
A maioria tá com pressa, e já não saboreia mais:
- O grande amor de sua vida
- A família (que ainda resta)
- Os (cada vez mais raros) amigos
- Os almoços (ou jantares) de domingo (de quarta, de sábado, de terça, de sexta, de segunda, de quinta)
- A ‘sessão cineminha' (na televisão, no dvd, ou na telona)
- O “happy hour” da sexta-feira (bom motivo pra jogar conversa fora)
- A viagem de final de semana (com frio, com calor)
- As pequenas belezas da vida (imperceptíveis à maioria, quanto as nuvens)

E vive em função do que ainda não aconteceu:
- As férias
- A promoção profissional
- A aposentadoria
- A aprovação no concurso
- O prêmio da mega sena
- A grande mudança na vida

‘Baralho’!!!! Tem tanta vida pra ser vivida, e tanta gente esperando pra viver, como se soubesse do tempo, que não existe!!!!

Com a minha visão estrábica, fico observando gente que corre pra chegar ao trabalho, corre pra voltar pra casa, corre pra jantar, corre pra assistir o jornal, corre pra dormir, e corre pra fazer tudo outra vez, de novo, novamente, como sempre... “Gente estressadinha” que só sabe correr, e repetir as corridas que já fez, sem saber o que fazer com o tempo que (ainda) resta... (cansei!)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

De olho