segunda-feira, 24 de maio de 2010

O que fica

(des)aforismos paradiso vidas medo loucura leitura canções risadas calor conversas sonhos choro silêncios brincadeiras trabalho coca-cola acontecências arroz madrugada beterraba gaguejar chatice gelo tomate sons crianças banheira dores adolescência ronco poesia infância escola família piadas cheiros frio fotografias ouvir olhares sono cócegas informações banho chocolate compreender surpresa emoção falar chuva sentido palco trocas colo velhice segredos gritar perguntas projetos descobertas rede banheiro lembranças livros gratidão nuvens quintal cobra cantar feijão ruídos imagens bolo gravações notícias morte cozinha tempo folhas cochichar viagens encontro ideias força água palavrões unhas estopa arrotos amizade literatura varanda letras mãos cabelos cores remédios nomes pedras assovio árvores doenças saudade receitas espera procura técnicas saladas delírios besteiras memórias caminhadas artes diálogo escuro parede nadas micos aplausos cenas certezas aspas fragilidade personagens pãozinho tamborilar tricô lareira tristezas calçada filmes óculos garoa bastiana preguiça tempero beleza fogão conhecer batata alegrias ninar tabacaria morrer quadro pia fio vadiagem mesa moleza queijo geladeira retrato veias tda vazio sofá ninho jantar pássaro violão existencialista cais caranguejo vírgula códigos borboleta alma sentires vinho cigarra sossego trem cansaço edredon gostos gramado essencialista companhia imaginação castanhas abraço ar mingau letras solidões telefone suco geladeira porto números vozes indigo piano passos calma pensares fuga notas amar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

De olho