terça-feira, 27 de julho de 2010

Velhinhos, uni-vos!

As coisas mudam – e surtam também. Chegou nos ‘enta’, não tem escapatória, até por que sabemos que poucos chegam aos cem. Não consigo entender por que a maioria não aceita a velhice, se também não quer morrer – não há outro caminho.

Um velho viúvo é levado ao clube, para espairecer (perdeu a esposa, há pouco tempo). O filho acomoda o velho em uma cadeira, com guarda-sol, deixando-lhe o jornal do dia, e afasta-se. Em pouco tempo, todos enxergam o velho dar um mergulho de liberdade, na piscina. Depois, o velho ri, dizendo ter matado saudade do rio da infância.

Um velho viveu, a vida inteira, atrás de um balcão de mercearia. Ali, manteve amizades, que também envelheceram, sempre com bom humor. A filha decidiu que o pai viúvo deveria “descansar”, e fez o velho ficar casa, enquanto ela assumiu o negócio. Um dia, a filha voltou para casa, não encontrou o pai, flagrando-o no bar da esquina, na companhia de velhos amigos, jogando cartas. “Não é por dinheiro; só para o tempo passar brincando”, disse o velho, sorrindo.

Os maus tratos à velhinha, cometidos pela própria filha, foram denunciados à polícia, que logo foi retirar a vítima da casa. Quando chegou o socorro, a velhinha, trêmula e ofegante, escondeu-se como pôde, num canto da sala, com medo de apanhar mais.

... Minha imaginação parece fértil?... engano seu... já testemunhei isso na vida, bem menos até do que você deve saber por aí, por todo lugar...

Depois de tantas, a velhice é a última etapa da vida da gente, e também tem suas vantagens (e desvantagens, que todo mundo já decorou). Bom mesmo é que o velho pode dizer que esqueceu de lembrar o que bem entender. O velho pode soltar besteiras desconexas, rindo da cara de espanto de todo mundo. O velho pode viajar de graça. O velho pode voltar a ser criança, adolescente, quando quiser. O velho pode sacanear, até depois de morto, no testamento. Resumindo, acho que a velhice dá oportunidade para o ser humano ser tudo o que já foi, e ser até o que quis (e quer) ser, e (ainda) não foi.
Claro, como em qualquer outra etapa da vida, sempre tem gente pra policiar, criticar e “pegar no pé” dos idosos. Se o velhinho quer ‘aprontar’ mesmo, vai dar um jeitinho, não se importando com o tempo, que já considera até lucro, depois da vida que teve.
O Brasil já tem até o “Estatuto do Idoso”, que garante e salvaguarda direitos da criatura que, a cada ano, bate recordes de vida. Nas “disposições preliminares”, o Estatuto é claro: “Art. 1.º É instituído o Estatuto do Idoso, destinado a regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos.
Art. 2.º O idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhe, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, para preservação de sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade.
Art. 3.º É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária”.

Velhinhos, não desistis - uni-vos! Vão aprontando e esperando por mim, que ‘tô’ quase lá... hehehehehehehehe

Um comentário:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    tá quase lá mesmo...

    coloca a mãe no sol...UAuhHUAuhA
    tira mãe do sol!

    ResponderExcluir

De olho