sábado, 1 de janeiro de 2011

Acreditar

Como diz um amigo: “Uma fé não basta; é preciso ter muitas fezes”. Acreditar – acreditar sempre. Quando não houver mais no que acreditar, acreditar em Papai Noel, Chuck Norris, Bicho Papão, Forrest Gump, ou sei lá mais o quê, ou quem. Mas acreditar – sempre.
Tem gente que defende o ideal de “até morrer” pelo que acredita. Não vou tão longe – acho que dá pra viver pelo que se acredita. Acho também que “mais vale um covarde vivo, que um herói morto”. Até por que tudo – bom, ou ruim – acaba, de um jeito ou de outro, acaba do mesmo jeito... O que, pra gente, é eterno é simplesmente eternizado pela gente, e a gente pode ser eternizada por outras gentes – ou não. Acreditar nisso também.
Mas não quero ir tão longe nas filosofias de bolso. Quero estacionar meu pensamento bem aqui mesmo: É preciso acreditar. Só quem sonha, acredita. Não se preocupe, se você, como eu também, não lembra dos sonhos que teve, na noite passada. Não é desses sonhos que me refiro. Nem dos sonhos da padaria – na maioria das vezes, acabam sendo vendidos e devorados, antes de a gente chegar.
Sonhar e acreditar são verbos, na minha insignificante opinião, que vivem juntos, por que se atraem, se distraem, se contraem, e até se esvaem juntos. Sonhar, sem acreditar, acho que seria delirar. Sonhar e acreditar já é – no sentido que entendo mais amplo - realizar. Afinal, alguém precisa acreditar nos proprios sonhos. Cá entre nós, às vezes, é mais simples acreditar no sonho que na mais verossímil realidade, tão distante de todos os sonhos, a exigir esforço maximo (e até reserva) dos sonhadores que (ainda e sempre) acreditam.
Estamos pisando no ano de 2011 – chãozinho limpo e fresco, cheiro de terra molhada, futura árvore em broto. Como vai ser nosso ano?... Ninguém sabe. O que sabemos é que depende de nós, de cada um. Se a gente começa a pensar e agir (sonhar e acreditar), desde o primeiro passo neste novo ano, o ano pode ser novo mesmo. Até o proximo dezembro – é muito tempo, gente, dá pra fazer alguma coisa, ou fazer coisa alguma.
Fico observando algumas pessoas que esperam milagres – levantam as mãos aos céus, e acabam levando mesmo é coco de passarinho na cabeça. Outras aceitam a vida do jeito que vier – sem questionar, sem assumir qualquer atitude de mudança. No meio de todas essas pessoas, ainda há aquelas que sonham, batalham pra caramba, nem sempre realizam os sonhos – mas continuam sonhando, e trabalhando. Cada qual, do seu jeitinho, está vivendo, e tendo a vida que lhe é unica, e por isso tão especial.
O mais importante mesmo é acreditar – acreditar sempre. Não importa em que, em quem. Necessario se faz acreditar, cada vez mais, em alguma coisa que represente o trampolim, o porto seguro, a rede, o colo – a vida, simplesmente. Acreditar nos proprios sonhos – acreditar, por isso também, na vida.
Que a gente receba 2011, de braços e olhos abertos – com toda força de acreditar, com toda fragilidade de ser humano.

Um comentário:

  1. Gabriel, Campinas9 de fev de 2011 04:03:00

    Hey Bacana o que você escreveu!

    logico não eve muita objetividade ao demonstrar no que acredittar, mas consegui entender que está tudo oculto na vida e nos pensamentos das pessoas.
    Realmente basta ACREDITAR !!!!

    ResponderExcluir

De olho