segunda-feira, 18 de julho de 2011

O pobre coitado

Numa realidade escrachadamente individualista, a presença do pobre coitado é notada, com veemencia. O pobre coitado pode ser homem, ser mulher. O pobre coitado. A pobre coitada. Sempre pobre. Sempre coitado. Sempre coitada.
O pobre coitado ‘tá’ em todas:
“Pobre coitado, ele bebe, se droga, desde que perdeu um familiar!” (Quem nunca perdeu, na vida?)
“Pobre coitado, ele não preparou o trabalho da aula, por que sentia-se inseguro!” (Quem não se sente inseguro?)
“Pobre coitado, ele é cleptomaniaco, e está com vergonha, por ter roubado o frasco de perfume francês.” (Um pobre coitado de bom gosto, hein?)
“Pobre coitado, ele sente muita solidão!” (Quem não sente solidão?)
“Pobre coitado, ele errou, sem querer!” (E quem erra, querendo errar?)
“Pobre coitado, ele não sabe brincar, mas não quis ofender!” (Se não sabe, aprende. Se sabe, respeita.)
“Pobre coitado, ele só quer a companhia de alguém que o ame!” (Quem não deseja isso também?)
“Pobre coitado, ele está arrependido de ter atropelado e matado a criança!” (A criança é que não pode mais arrepender-se de ter ido à calçada, naquele dia.)
“Pobre coitado, ele não gosta de ser contrariado!” (Até aí, todo mundo não gosta, mas precisava quebrar o trofeu de primeiro colocado, do adversario dele?)
“Pobre coitado, ele quer que você tome a iniciativa de procurá-lo!” (Pobre coitado do orgulho dele, isso sim!)
“Pobre coitado, ele é analfabeto, por isso, não leu a placa.” (Nem desenhando?)
“Pobre coitado, ele ficou alterado, falou sem pensar!” (Todas as pessoas ficam alteradas, falam e agem sem pensar, e não são pobres coitadas, por causa disso.)
“Pobre coitado, ele perdeu o controle, e, por isso, não parava de espancar o pai.” (O pobre coitado podia perder outro controle, e começar se espancar, né?)
“Pobre coitado, ele está tão nervoso, por isso, não quer fazer o teste do bafômetro.” (O ‘bafo’ alcoolico dele também deve estar muito nervoso.)
“Pobre coitado, ele foi rejeitado, e por isso age assim!” (Quem nunca foi rejeitado, nessa vidinha de meu Deus?)
“Pobre coitado, ele entendeu errado o que você falou, e respondeu pelo que achou ter ouvido.” (Pobre coitado daquele que foi mal interpretado!)
“Pobre coitado, não reclame dele, senão ele se ofende.” (O ‘negocio’ é deixar o pobre coitado reclamar e ofender todo mundo?)
“Pobre coitado, ele é sensível, e por isso sofre mais!” (Alguém tem alguma duvida de que todo mundo é sensível? Na duvida, martele o dedo de alguém, pra ver se não sente!)
“Pobre coitado, ele não tem conhecimento da Lei Maria da Penha!” (Mas tem muito conhecimento de porrada em mulher, hein?)
“Pobre coitado, ele está bebado, não sabe o que diz!” (Mas aponta, e “dá nomes aos bois”, sem errar um!)
“Pobre coitado, ele precisou ter uma amante, para ser feliz, por que a esposa sempre foi indiferente com ele!” (Fala sério!)
“Pobre coitado, ele é negro!” (E daí?)
“Pobre coitado, ele nunca trabalhou, e só sabe ganhar dinheiro, comovendo as pessoas, relatando a propria miseria em que vive!” (Na minha terra, isso tem outro nome: “conto do vigario”. Quem quer, ‘entra nessa’.)
“Pobre coitado, ele nunca se sentiu filho dela, e, por isso, matou a mãe.” (Se ele não se sentia filho da mãe, por que matou justamente a velha?)
“Pobre coitado, ele inverteu toda a situação, para proteger-se!” (Precisava inverter, em proveito proprio? E o outro: faz o que, pra proteger-se?)
“Pobre coitado, ele deu todo o dinheiro que tinha, por que queria ajudar aquela senhora!” (Mas o bilhete falso, que ele comprou, e pagou caro, por que alguém disse que era premiado, né?)
“Pobre coitado, ele é doente, sempre esquece de pagar as contas!” (Pobres coitados daqueles a quem ele deve, isso sim!)
“Pobre coitado, ele é louco, não merece ir preso!” (Louco mesmo, rasga dinheiro, e toma sopinha de pedras?)
“Pobre coitado, ele não fez por mal, não bolinou a garota, no onibus, por que ele é deficiente visual!” (Ah, tá bom, e os demais passageiros são deficientes mentais!)

E ainda dá pra identificar o pobre coitado, em outras situações. Se você não sabe, pense comigo (ou não):
- Pobre coitado é quem mais chora em velorio.
- Pobre coitado é o ultimo da fila, que encena passar mal, pede até copo d’agua, e acaba sendo atendido imediatamente.
- Pobre coitado é o motorista que sorri à motorista, e rouba-lhe o lugar no estacionamento.
- Pobre coitado é o politico que apresenta pedido de demissão, e ainda justifica estar contribuindo nas investigações de corrupção.
- Pobre coitado é o que chora, no proprio julgamento judicial, depois de ver provado o crime cometido por ele.
- Pobre coitado é o arrependido, diante do confessionario.
- Pobre coitado é o cara que te ‘atropela’, na entrada do taxi, dizendo estar atrasado, e vai embora, te deixando a pé, na avenida, em dia de chuva.

Sabe o que eu acho pior, pior mesmo, nisso tudo?... É quando pedem a minha conivencia, pra ajudar os (tantos) pobres coitados...

4 comentários:

  1. legal mais muito cumprido
    e os comentariosentre()-nadaaaaaaaaaaaaaaaa a ver

    ResponderExcluir
  2. gostei do texto mas é muito cumprido.
    os comentarios em parentesis nada a ve

    ResponderExcluir
  3. o burro do comentario acima é uma crônica e tem que ser longo.
    os comentarios entre()é para explicar ao publico leitor.
    então não fala o que ñ sabe imbecil

    ResponderExcluir
  4. eu tenho raiva de quem chama alguém que faz o bem de pobre coitado eu acho que gente que pensa assim vai tudo pro iferno

    ResponderExcluir

De olho