terça-feira, 2 de agosto de 2011

Vai encarar?

Ajudar velhinhos atravessarem as ruas – gesto simples.
Encenar orgasmo – mais facil às mulheres, obviamente.
Dizer que perdoa – chavão de script antigo.
Contribuir na campanha do agasalho – doação de entulhos, para liberação de espaço.
Apelar ao ‘chutometro’, quando o concurso é de multipla escolha – comum de todos.
Gastar uns ‘reaizinhos’ em apostas semanais, na loterica – nada a perder.
Tomar um porre – a maioria guarda essa lembrança sem lembranças.
Usar a palavra idiossincrasia – se você ainda não usou, um dia, pode sonhar com essa palavrinha.
Saltar de paraquedas – viver (também) pode ser isso.
Chorar diante do comercial de margarina – tem gente que faz isso escondido (mas faz).
Colar, na prova de Quimica – experiencia bastante conhecida.
Esquecer o nome de alguém – faz parte.
Chorar para o guarda de trânsito, que multa – encenação comum, em todas as vias.
Viver o que é possível – todo mundo faz isso.

O que proponho é desafiante, desafiador. Desafio, pra ser desafio, precisa ser maior, ou mais profundo, íntimo mesmo. Premio?... Nem de consolação. Não ter respostas prontas – eis (penso que seja) o primeiro passo do caminho. Mas não me leve tão a serio, nem me leve pra sua casa (hehehehehehehehe).
Se você quiser continuar me lendo, desafio você saber quem você é, ou quem você não é - pelo menos, neste instante. Mas não conte isso a ninguém, por que, daqui a pouco - no instante seguinte -, você pode deixar de ser quem é, ou ser quem nunca foi. Por que nada é – tudo está.
E, ainda, há as personas: quem você pensa que é, quem você nem imagina que possa ser, quem você não é, quem você gostaria de ser, quem você pensa que as pessoas pensam que você seja, quem você rejeita ser, quem as pessoas imaginam que você seja, quem as pessoas gostariam que você fosse, quem as pessoas pensam que você pensa ser, quem as pessoas nem imaginam que você seja, quem as pessoas recusam que você seja. Ah, e tem, também, a persona mais proxima de você: quem você é sem saber, nem saberem de você.
No meio disso tudo, está você – você que é e não é tudo (nada), ao mesmo tempo. Fazer o que?... Nem imagino. A escolha é sua: problema, ou solução – ou nada disso.
Agora, você pode estar questionando: Pra que você saber quem você é?... Sei lá. Por outro lado, se você souber quem não é – aos poucos -, o susto pode ser amenizado, até indolor... Ou não. Nem sempre o caminho é de ida...

E então: vai encarar?...

Um comentário:

  1. olha, resumo dos conceitos junguianos: sombra, inconsciente coletivo anima, animus, arquétipo.. e por ai afora...
    acredito q a vida vale a pena pela descoberta - diaria - de si mesmo..e o desafio de se reinventar - diariamente - diante das sitauçoes e dessas descobertas! ;)

    ResponderExcluir

De olho