domingo, 8 de março de 2015

Vitrines da vida

Foi-se o tempo das vitrines de comércio formal reinarem absolutas, numa concorrência inimaginável. Hoje, as pessoas criam as próprias vitrines - tempo virtual. Quem não quer ir, acaba sendo levado no 'cordão carnavalesco'. Neste mundo, onde vemos e somos vistos, tudo é atrativo, brilhante, todo mundo é bilionário, lindo, maravilhoso, destemido, saudável, magnífico em tudo, o tempo todo. A concorrência já não é pessoal, pois se trata de quem aparenta mais. Mais o quê?... Ninguém imagina, por que não há limites. As redes sociais, principalmente, estão lotadas de fotos que desbancam qualquer manchete do dia.
Nas vitrines da vida, cada qual mostra as (melhores e maiores) armas que tem - com direito a exibir até pistolas e fuzis, nas redes sociais. As máscaras vão muito além daquelas exibidas no carnaval. Tem pra todos os gostos e desgostos. Nem dá pra imaginar o que você vai ver, na próxima página, na esquina seguinte, no próximo toque no controle remoto da tv.
Diante de tudo isso, na minha visão estrábica, só consigo pensar que nunca se viu uma realidade tão estrondosa como essa. Quem não fizer barulho, não chamar a atenção, está fora das vitrines. Se a máscara for maravilhosa, quase perfeita, tem até réplicas, em outras vitrines. Se não brilhar, nem adianta manter a máscara, as caras e bocas. Tudo é brilho. Tudo é lindo demais. Tudo é perfeito, perfeitinho demais.
Por isso tudo, talvez, os escritores de ficção estejam, aos poucos, perdendo terreno, nas vendas de livros. O que todo mundo está querendo saber mesmo é da vida (vitrine) do outro (biografias autorizadas, ou não) - com que grifes desfila, viajou para onde, está 'ficando' com quem, se tem feito mais sessões de botox, lipoaspiração, ou cirurgias plásticas, que gafes cometeu, etc e tal. A realidade mesmo, até no universo virtual, é que ninguém quer mais saber o que as pessoas pensam, se pensam, quem são realmente. Se eu não sou, o outro que não seja, também, e as máscaras acabam auxiliando a 'convivência virtual' (até na real, a convivência tem sido virtual).
Hoje, quando passo por vitrines, nas calçadas da vida, tenho vontade de rir, por que expressam, e por isso representam, bem menos que o brilho todo das vitrines da vida e dos viventes. Não sei se é a realidade, ou o domínio virtual, mas observo que os conceitos estão desaparecendo, nem são mais substituídos, tal como a cara (original) das criaturas, que estão se tornando mais criadoras que criaturas. E já não são modificados somente nariz, barriga, seios, bumbum. Isso é pouco. A disputa, nas vitrines da vida, exige mais, muito mais. Pena que o indolor photoshop (ainda) não modifique a vida (real) de cada ser humano, o mesmo ser que é obrigado a conviver com ele mesmo, cara a cara, a cada segundo do tempo, que não privilegia ninguém, nem espera.
... na real, no virtual, no escambau, até a mais criativa e reluzente máscara revela o que encobre, o que sobrevive no fundo mais fundo...

sábado, 7 de março de 2015

segunda-feira, 2 de março de 2015

Essa coisa toda chamada amor

Pelo que a gente percebe, diariamente, dá mesmo pra dizer, parodiando “o cara”, que “nunca antes, na história desse mundo”, ouviu-se tanto: eu te amo. Essa coisa toda chamada amor, na minha opiniãozinha medíocre, representa tantas outras coisas - menos amor.
Cá entre nós, faz muito tempo que as criaturas usam e abusam da desgastada palavrinha 'amor'. “Por amor”, tem muita gente enganando, violentando, e até matando. Mas ainda há quem faça do 'amor', negócio mais rentável - com duas ou três frases de Shakespeare, ou de Chico Xavier, muita gente, sem dinheiro, encurta caminho para um empreendimento de sucesso, ou até casamento que renda polpuda pensão.
Acho que chegamos mais perto do que possa ser realmente amor, se amamos as pessoas, com o mesmo amor devotado aos animais, respeitando a natureza de cada um deles - sem expectativas. Ainda há quem ame os animais, simplesmente por eles existirem, e, de alguma forma, fazerem companhia - nem precisam abanar o rabo. Tem gente que ama cachorros, gatos, pássaros, iguanas, e até cobras. Quando somem, nos preocupamos, vamos atrás deles, sem cobrarmos, no retorno, onde e com quem estavam, fazendo o quê. Simplesmente, continuamos amando esses bichinhos que encantam, respeitando a vida própria e natural deles. Os animais de estimação não exigem além do que doamos a eles: água, comida, e algum afago distraído.
Por isso, tem tanta gente escolhendo criar animais, em vez de casar, ou ter filhos. Muita gente vai além, no que chama “amor sem medidas”, e trata os bichos, feito filhos, comprando roupas e joias para os animais - os pet shops estão cheios de encomendas para festas de cachorros e gatos, principalmente. Na realidade (desmedida), há quem queira fazer do bichinho de estimação, projeto de gente (da ostentação) - com roupas, joias, acessórios inimagináveis em qualquer mundo animal.
Enquanto isso tudo acontece, os protetores de animais se multiplicam - afirmam que, “por amor”, socorrem gatos e cães matratados. Depois, voltam para casa, para devorarem seus pratos com carnes de bois, peixes, porcos, frangos, patos, pombos, marrecos, bodes, perus, ovelhas, lagartos, rãs, tatus, coelhos, etc etc etc, bem ou mal passados. Por todo lugar, há defensores de animais que usam casacos, chapéus e calças de couro, e cintos e sapatos, também de couro (animal). E ainda tem gente que cria chester, no freezer, para matar e comer nas festas de final de ano (tô brincando, gente)...

De olho