terça-feira, 5 de janeiro de 2016

A vida segue, mais pobre – sem Marília...

video
Neste cinco de dezembro de 2015, o Brasil amanheceu mais pobre – pobreza dolorida, que arde e sangra na cultura e na arte nacionais. Marília Pêra - atriz, bailarina, cantora, coreografa, diretora e produtora de teatro – dormiu, não mais acordou. Por isso, o Brasil amanheceu mais pobre: perdeu tantas criaturas, numa só. A ausência de Marília será sentida, a partir de agora, em todos os palcos e estúdios em que ela pisou, e por onde não fez arte, também. Morre a delicadeza da criatura empática, sempre preocupada com o outro, os outros – qualidade destacada pelos amigos e colegas dela. O que permanece (vivo) é o que ficou na memória, nas lembranças.
Marília viveu e morreu pela arte, se entregou – inteira e plena – à arte. E que sentido tem a vida, sem arte? Como viver, sem arte?… Marília partiu, com o mesmo sentimento que nasceu e viveu: amor à arte. Por isso, o sol amanheceu carente de brilho. “O céu ganhou uma estrela”, disse a atriz Eva Wilma. Mas nós perdemos a existência de uma artista completa, honesta com o ofício que escolheu viver (morrer) - respondo eu, que não convivi com Marília Pêra, sequer me deslumbrei com um de seus belíssimos espetáculos, ao vivo. Saber da existência de criaturas do bem e talentosas, a exemplo de Marília, já me transborda de esperança de que nem tudo está perdido.
Em mim, resta a dor da perda de um País inteiro, onde muita gente confunde música com som, ou ruído, barulho, arte com forma de expressão. Hoje, cinco de dezembro de 2015, perde o Brasil – muito mais que uma Copa do Mundo, ou cinco. Perdem os que têm sensibilidade, e os psicopatas (insensíveis, sem empatia alguma). Todos sofrem a perda da arte – conscientes, ou não. Marília já faz falta, a quem soube da existência dela, e a quem ignorava.
Talvez, hoje - primeiro dia sem Marília -, as pessoas mais próximas considerem a morte dela, uma injustiça. Tratando-se de Marília, a morte seria injusta, na mesma proporção, se a obrigasse partir, depois de quatrocentos anos de arte da maior e melhor qualidade. A própria Marília sentiria isso, por que transbordava vida, e sonhava mais vidas para o palco – novos e inimagináveis projetos brotariam, o que causaria aplausos de todas as emoções (pura doação).
Marília Pêra partiu, deixando um legado artístico equilibrado entre sensibilidade e fragilidade. Mesmo se houvesse intenção, não se teria como apagar os rastros de luz de tamanha doação (visceral e plena!) de toda a generosidade que fica. Exemplo de entrega desmedida, Marília soube ser tão profunda, até mesmo nas personagens mais superficiais que assumiu, no teatro, no cinema e na televisão. Nos textos mais densos, ela foi mestra em falar e silenciar, com os olhos, os gestos, a respiração, de corpo inteiro – por todos os sentidos e poros. Marília viveu imersa e diluída na arte de viver – por isso, tanta vida bondosamente escorrendo e transbordando por todos os cantos dela. Quando cantava Carmem, Elis, Dalva, Clara, Callas, e tantas outras – levitava, e fazia levitar. E não houve espetáculos, peças, filmes, novelas, protagonizados e encenados por ela, que tenham passado desapercebidos pela sensibilidade pública desperta.
Marília Pêra entra e sai de cena - eterna que é -, de mãos dadas com a arte. Quanto a nós, pobres mortais, permanecemos no mesmo caminho, na mesma fila de espera, sem sabermos o que Marília não sabia.

Letra do Samba – Carnaval 2015 – Mocidade Alegre

“Nos Palcos da Vida, Uma Vida no Palco... Marília!”

Intérprete Oficial: Igor Sorriso

Compositores: Ana Martins, Douglas Sabião, Imperial, Marcio Bueno, Rodriguinho e Victor Alves

Divina inspiração, um ato de amor
A arte concebeu Marília
Tão menina, a flor bailarina
Carrega no sangue o dom de encenar
Vai brilhar na ribalta infinita
Liberta, a poesia não vai se calar
Nos palcos de corpo e alma
Desponta no alvorecer
Destino traçado, talento e magia
Estrela a resplandecer

Ê mulher... Lições pra ensinar
São elas por ela, mil vidas contar                                   refrão
Tem Carmem Miranda, ganzá e pandeiro
De saia rodada, ginga no terreiro

Dama do cinema e televisão
Em qualquer cenário transmite emoção
Graciosidade e carisma
Um anjo da noite embala criança
A lua cheia de amor reflete esperança
Meu samba chamou você pra sambar
E te consagrar rainha do nosso carnaval
Pois o teu nome já é imortal...Bravo, Marília!
Orgulho do nosso país... És musa, brilhante atriz
O mundo a reverenciar...
Nossa “Morada” a homenagear!

Vem aplaudir a diva nos palcos da vida
Faz delirar, meu povo alegre a cantar                            refrão
Mulher guerreira, bem brasileira
A Mocidade é Marília Pêra

(Exatamente há um mês atrás, li a notícia de que Marília Pêra havia partido – com aviso prévio. Escrevi - no papel mais à mão - o que você acaba de ler, e guardei no silêncio da minha alma. Só mesmo o tempo para nos mostrar o que persiste vivo – em cada um de nós.)

A vida segue, mais pobre – sem Marília...
video

video

Nenhum comentário:

Postar um comentário

De olho