domingo, 15 de maio de 2011

Autoajuda que não ajuda

Se você sente prazer, ao ler livrinhos de autoajuda, nem perca tempo aqui, pois, se me ler, estará arriscando gastar grana extra, na compra de mais autoajuda. O ultimo alerta: daqui pra frente (“tudo vai ser diferente” – não resisti, perdão pelo desvio), segue por sua conta e risco.

Mesmo antes dessa ‘febre’ de livrinhos de autoajuda - quando autoajuda era termo quase desconhecido -, eu já não simpatizava com as capas dos ‘cujos ditos’. Foi assim que decidi ler alguns (nem tantos), pra ‘derrubar’ de vez o estigma, e acabei constatando mais (pior) que eu imaginava. A autoajuda é mesmo para os autores, que, hoje, faturam alto, num ‘repeteco’ invejado por qualquer politico. Tem gente que diz até que muitos religiosos se esforçam, decorando livrinhos de autoajuda (que maldade!). Disso, não sei. O que sei é que, em tv a cabo, o que mais ‘rola’ na madrugada é programa religioso (“digrátis’, sem sair de casa), inclusive, com conselhos de religiosos, ao vivo, a muitos desesperados, que, provavelmente, não compram, nem lêem autoajuda, ou perderam o controle (remoto).
Em tempos de globalização, os livrinhos de autoajuda, traduzidos do ‘escambau’, despencam, nas prateleiras brasileiras, sem qualquer discriminação. Os temas são variadissimos, todos formando um grande dicionario basico – sinonimos que vão e vêm, entre frases e paragrafos (quase) rimados, fedendo melodrama de novela de sexta (categoria), filmada na prisão de Guantânamo. ‘Tô” exagerando?... Nada!...
Cá muito entre nós, quando você paga (caro) por um livrinho de autoajuda, o que você ‘tá’ querendo mesmo é que alguém te descrimine, te isente do pecado mortal cometido. Pode observar, esses livrinhos todos têm sempre um consolo, uma justificativa, até despencar no lugar comum: “errar é humano”. Mas, e se você foi desumano – ‘cumé’ que fica?... Pelo menos, você consegue recursos (de linguagem), pra se expressar em tua defesa. Se vai convencer, ou não, depende do livrinho de autoajuda que você estudou (talvez, por não ser leitora assidua de autoajuda, eu não saiba me defender – pode até ser).
Sou tão boazinha (hehehehehehehe), que chego pensar que tudo e todos merecem perdão – não esse “eu te perdôo” da empafia moralista. Não. O perdão de si mesmo, por que o resto é o resto do resto do resto – e nada mais resta mesmo. Agora, se tem de pagar (com juros de correção) – já é outra historinha, né?...

Aproveito para adiantar que já tenho alguns titulos dos livros que pretendo escrever, e concorrer, no crescente mercado ‘autoajudatico’, em ‘prol da minha propria autoajuda’ (aguardo ‘pai-trocinios’):
- “Push” a vida!
- Perca a memoria 4 minutos por semana
- Experimente mais linguas
- Doença não é saúde
- O negocio é igreja
- Sorria mais com botox
- Espelho engorda
- Você pode, e se ‘fode’!
- De prego a martelo
- As doenças mais lembradas pelos hipondriacos
- Diga não ao ultimo biscoito do pacote!
- Um dia, você morre!
- Tecnicas nunca testadas
- O sal da areia
- A vida é Hollywood
- Descansa a tua poupança
- Loira não é Xuxa com farofa
- Aprenda consoantar vogais
- O resto é o que resta
- Faça alambique do limoeiro
- Pague para sair
- Não chore à toa: Corte cebola
- Tire duvidas sem dividas
- O segredo do sucesso está nos programas policiais
- Quando Paulo não é Coelho
- O que nenhum BBB mostrou
- O degrau da educação
- Se você não fosse, você já era
- De salto na praia
-- Coleção Faça Você Mesmo:
- Tire o cisco do seu olho
- Cuspa na sua testa
- Dê um pé na sua propria bunda
- Deixe de trabalhar para você mesmo
- Recicle papel higienico usado
- Aprenda calar em publico
- Teste sua paciencia na fila do SUS
- Sirva seu proprio copo d’agua
- Traia você mesmo
- ‘Cague’ na tua cabeça!
- Como sobreviver sem cartão de credito
- Derrube a cerca e não pule
- Assoe o nariz no pano de prato
- +#@#$%
- Você é Justin Bieber!
- Supere a separação sem mudar o penteado
- Seja o pão da manteiga
- Convença a si mesmo: Você é melhor que o pior!
- Vire para o lado e durma
- Peidou? Assovia!

Depois dessa ‘merda’ toda que você leu aqui, ainda quer seu livrinho de autoajuda?... Então, vá ler seu livrinho de autoajuda, com os pés descalços - claro! -, em cima de um formigueiro (o maior que você encontrar)... e boa leitura!...

Um comentário:

  1. Ótimo texto. Essa coisa de hoje em dia todo mundo ser emocionalmente "tadinho" e "desamparado" já deu... nietzsche já!!!!

    ResponderExcluir

De olho